quinta-feira, 27 de junho de 2013

São João do Colégio Estadual Dona Guiomar Barreto Meira - Extensão Massaroca




Na época da colonização do Brasil, após o ano de 1500, os portugueses introduziram em nosso país muitas características da cultura europeia, como as festas juninas.



Mas o surgimento dessas festas foi no período pré-gregoriano, como uma festa pagã em comemoração à grande fertilidade da terra, às boas colheitas, na época em que denominaram de solstício de verão. Essas comemorações também aconteciam no dia 24 de junho, para nós, dia de São João.

Essas festas eram conhecidas como Joaninas e receberam esse nome para homenagear João Batista, primo de Jesus, que, segundo as escrituras bíblicas, gostava de batizar as pessoas, purificando-as para a vinda de Jesus.


Assim, passou a ser uma comemoração da igreja católica, onde homenageiam três santos: no dia 13 a festa é para Santo Antônio; no dia 24, para São João; e no dia 29, para São Pedro.
Os negros e os índios que viviam no Brasil não tiveram dificuldade em se adaptar às festas juninas, pois são muito parecidas com as de suas culturas.


Aos poucos, as festas juninas foram sendo difundidas em todo o território do Brasil, mas foi no nordeste que se enraizou, tornando-se forte na nossa cultura. Nessa região, as comemorações são bem acirradas – duram um mês, e são realizados vários concursos para eleger os melhores grupos que dançam a quadrilha. Além disso, proporcionam uma grande movimentação de turistas em seus Estados, aumentando as rendas da região.






Com o passar dos anos, as festas juninas ganharam outros símbolos característicos. Como é realizada num mês mais frio, enormes fogueiras passaram a ser acesas para que as pessoas se aquecessem em seu redor. Várias brincadeiras entraram para a festa, como o pau de sebo, o correio elegante, os fogos de artifício, o casamento na roça, entre outros, com o intuito de animar ainda mais a festividade.


As comidas típicas dessa festa tornaram-se presentes em razão das boas colheitas na safra de milho. Com esse cereal são desenvolvidas várias receitas, como bolos, caldos, pamonhas, bolinhos fritos, curau, pipoca, milho cozido, canjica, dentre outros.

                                 




Manifestação em Petrolina e Juazeiro leva milhares de pessoas as ruas. "O Vale Acordou"

uinta-feira, 20 de junho de 2013, foi um dia histórico, para Petrolina e para todo Brasil, as manifestações que aconteceram de norte a sul do País, encheram de esperanças o nosso povo, pois, elas demonstraram claramente que o Brasil acordou, e despertou com vontade de dar um basta nos desmandos que vem ocorrendo em todas as esferas de poder.

A manifestação “O VALE ACORDOU” foi muito bonita e tranquila. Alguns podem até querer argumentar que eram só jovens, e se fosse? O futuro é deles, mas não era. Tinham muitas famílias, senhoras, senhores. Observo que a população de forma madura e consciente começa a mostrar para as autoridades quem realmente detém o PODER. Quando falo isto, estou me referindo às manifestações gerais, que estão acontecendo em todo País, não só aqui em nossa cidade e região. Portanto, os detentores de mandatos, precisam olhar atentamente para os recados que as ruas estão produzindo.
Fora a questão do PASSE LIVRE, por enquanto, os protestos e manifestações estão um tanto quanto difusos, porém, logo as prioridades serão estabelecidas, umas mais imediatas, outras, mais a médio e longo prazo, aí sim, as autoridades estarão frente a frente com a realidade e terão que enfrentar para valer o grito das ruas. 

As ruas estão realçando todas as aspirações e sonhos da sociedade, negligenciados pelos governantes ao longo dos anos, por isso, explodiu, cansou, o povo não suporta mais governantes teocráticos, que se julgam acima do bem do mau, que decidem sem pensar no povo, mas, em grupos e pessoas que apoiaram suas campanhas; não suporta mais ver colarinhos brancos condenados debochando do povo e da justiça; não suporta mais ver políticos determinando seus próprios salários, dobrados às vezes, da noite para o dia, sem se quer explicar a quem realmente paga; não suporte mais ver idosos e crianças morrem nas filas dos hospitais, e virarem noticias na imprensa como uma coisa banal; não suporte mais um sistema educacional incapaz de resistir a uma comparação com o sistema de ensino de países pequenos e mais pobres de nosso continente; não suporta mais ter seu direito de ir e vir interrompido por uma violência sem controle, amparada na impunidade; não suporta mais ver a cada dia, os governantes cobrarem mais e mais impostos, e não ter retorno em serviços públicos de qualidade; não suporta mais a legislação eleitoral que torna os executivos reféns de parlamentares inescrupulosos; enfim, o povo cansou, e reclama saúde e educação de qualidade, respeitos as leis, ética, combate a corrupção, justiça social, segurança publica, controle da inflação, seriedade no trato da coisa publica, combate ao desperdício, em fim, tudo que diz respeito à melhoria na qualidade de vida das pessoas e no desenvolvimento do País. Por tudo isso o povo tem mesmo é que ir para as ruas, protestar, reclamar, gritar. Só assim aqueles que ao assumirem seus cargos, perdem a audição, voltarão a ouvir.
E hoje, como um bom começo, se fosse fazer uma escolha, para início ao combate a corrupção, elegeria de imediato, a conclusão do processo dos MENSALEIROS, que foram julgados, condenados, mas continuam soltos, porque não houve a execução das penas, num claro desrespeito a sociedade, desmoralização da Justiça e incentivo aos desmandos. O Ministro Joaquim Barbosa, até que é bem intencionado, e tem tentado, mas, infelizmente uma única voz. Talvez agora o povo dando apoio as coisas aconteçam.
Como dizia um cartaz na manifestação: “Está faltando ordem nesse progresso”. Realmente.
Texto de Joaquim de Castro Filho

segunda-feira, 17 de junho de 2013

100 bilhões de planetas alienígenas em nossa galáxia?




É isso que uma nova pesquisa do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), nos EUA afirma, que nossa galáxia, a Via Láctea, abriga pelo menos 100 bilhões de exoplanetas (planetas fora do nosso sistema solar), ou muito mais.









O principal autor da pesquisa, Jonathan Swift, e seus colegas estudaram um sistema de cinco planetas chamado Kepler-32, que fica a cerca de 915 anos-luz da Terra. Os cinco mundos foram detectados pelo telescópio Kepler, da NASA.








Eles orbitam uma anã M (estrela anã vermelha do tipo M), um tipo de estrela que é menor e mais fria do que o nosso sol. Anãs M são as estrelas mais comuns na Via Láctea, representando cerca de 75% das 100 bilhões ou mais de estrelas na nossa galáxia.










Os cinco planetas de Kepler-32 são semelhantes em tamanho a Terra e orbitam muito perto de sua estrela-mãe, tornando-os típicos planetas detectados em torno de estrelas anãs M pelo Kepler.


Sendo assim, dizem os pesquisadores, o sistema Kepler-32 deve ser representativo de muitos planetas da galáxia.
“Este é o mais próximo a uma pedra de Roseta que eu já vi”, disse o coautor John Johnson, também da Caltech. “É como desbloquear uma linguagem que nós estamos tentando entender – a linguagem da formação dos planetas”.


Fontes e créditos:
1. Lives Science
2. Hiperscience

domingo, 16 de junho de 2013

Trabalhos de Geografia e Ecologia - Colégio Guiomar Barreto Meira

Fontes de Energia


As fontes de energia são de fundamental importância, em especial na atual sociedade capitalista. Essas substâncias, após serem submetidas a um processo de transformação, proporcionam energia para o homem cozinhar seus alimentos, aquecer e iluminar o ambiente, etc.

Contudo, foi com o advento das Revoluções Industriais, juntamente com a intensificação do processo de urbanização, que a utilização das fontes energéticas teve um aumento extraordinário. O atual modelo capitalista é altamente dependente de recursos energéticos para o funcionamento das máquinas industriais e agrícolas; os automóveis também necessitam de combustíveis para se deslocarem; e a urbanização aumentou a demanda de eletricidade.


Diante desse cenário, o consumo de energia aumentou de forma significativa, fato que tem gerado grandes problemas socioambientais. Isso porque a maioria das fontes utilizadas é de origem fóssil (carvão, gás natural, petróleo), e sua queima libera vários gases responsáveis pela poluição atmosférica, efeito estufa, contaminação dos recursos hídricos, entre outros fatores nocivos ao meio ambiente.




Outro aspecto negativo é que essas fontes não são renováveis, ou seja, elas se esgotarão da natureza. Segundo estimativas da Agência Internacional de Energia (AIE), caso se mantenha a média de consumo das últimas décadas, as reservas de petróleo e gás natural irão se esgotar em 100 anos e as de carvão, em 200 anos.




A energia nuclear, também de origem não renovável, é motivo de várias manifestações contra o seu uso, pois pode haver a liberação de material radioativo em caso de acidentes em uma usina nuclear, como os que ocorreram em Chernobyl (Ucrânia) e em Fukushima Daiichi (Japão).




Com o intuito de diversificar a matriz energética, várias pesquisas foram desenvolvidas para a obtenção de fontes limpas e renováveis. Entre elas estão a energia solar (obtida através do Sol), energia eólica (dos ventos), energia das marés (correntes marítimas), biomassa (matéria orgânica), hidráulica (das águas), entre outras. Estas fontes, além de serem encontradas em abundância na natureza, geram menos impactos ambientais.



























quinta-feira, 13 de junho de 2013

Projeto: Meu Planeta Minha Vida. Colégio Estadual Dona Guiomar Barreto Meira

                                  



Meio ambiente, segundo o dicionário Míni Aurélio, significa o conjunto de condições e influências naturais que cercam um ser vivo ou uma comunidade, e que agem sobre ele(s). Assim, o meio ambiente envolve não somente plantas, animais e paisagens bonitos; mas todos os seres vivos e os ambientes em que eles vivem.
Considerando o que foi dito, e sabendo da relação existente entre todos os seres vivos e não vivos, é importante respeitar o meio ambiente.


Algumas dicas:
- Evitar o consumo exagerado, ou seja: não usar ou desperdiçar aquilo que não é necessário. Em primeiro lugar, porque tudo o que consumimos, de forma direta ou indireta, vem de recursos da natureza, e alguns não se renovam. Em segundo lugar, porque o consumo produz lixo e, como sabemos, alguns materiais demoram para se decompor.




Mais sério ainda é o desperdício de alimentos, jogados fora ao mesmo tempo em que inúmeras pessoas morrem de fome. Tal tipo de lixo forma uma substância líquida chamada chorume, que pode penetrar na água subterrânea, contaminando-a. Além disso, por se tratar de restos de comida, esse material atrai animais que podem provocar doenças, como ratos e baratas. Considerando que muitas pessoas têm contato direto com o lixo, o resultado não é nada legal.
Desligar o chuveiro enquanto ensaboa o corpo, e a torneira da pia enquanto escova os dentes; e apagar a luz ao sair de um cômodo; também são excelentes atitudes.

- Reaproveitar materiais. Isso porque, como foi dito, tudo o que consumimos utiliza recursos da natureza. Assim, ao invés de comprar algo novo, reutilizando o que temos, estamos poupando o meio ambiente.



Você enjoou daquele brinquedo que ainda está em boas condições de uso? Que tal trocar com seu colega, por outro, ao invés de comprar algo novo? Quanto ao papel de desenho, não seria bacana utilizar os dois lados da folha, antes de pegar uma nova?


Reaproveitar é outra forma de cuidar do meio ambiente.

- Direcionar o lixo de forma correta. Você já viu o quanto fica feio o local em que estamos, quando ele está cheio de lixo? Pois é, além de atrapalhar o visual, o lixo lançado em lugar incorreto pode provocar diversos problemas, além dos que foram apontados no item anterior: o entupimento de bueiros, por exemplo. Tal fato faz com que, durante as chuvas, a água não escoe direito. O resultado? Inundações, transbordamento de rios (inclusive os poluídos), doenças, etc.




- Depois de considerar isso tudo, reciclar. Reciclar é um gesto muito legal que uma pessoa pode fazer pelo meio ambiente. No entanto, para reciclar materiais, as indústrias também precisam de muita matéria-prima da natureza. Assim sendo, é importante, primeiramente, evitar o consumo exagerado e o desperdício e reaproveitar o que podemos para, depois, considerar a reciclagem.

Para que um material seja reciclado, é bom que ele seja separado em local adequado. Na sua casa, por exemplo, você pode reservar um cantinho para separar o papel; e reaproveitar uma caixa de papelão para separar os outros materiais recicláveis, como plástico, vidro e alumínio (lavados, para impedir a proliferação de animais transmissores de doenças). Depois disso, tais materiais podem ser doados a um catador, alguma instituição beneficente ou, caso sua cidade tenha, ao serviço de reciclagem local. Entregar para catadores é uma alternativa legal porque permite que tais pessoas deixem de trabalhar nos lixões, tendo uma vida um pouco mais digna, já que não estarão mais expostas a um grande número de doenças e possibilidades de acidentes.

Curiosidade:
Você sabia que conservação preservação são expressões diferentes?
- Preservar significa deixar um local intocável, sem muitas alterações.
- Conservar significa utilizar o que temos, mas de forma racional, dando tempo para a natureza se recompor.
Cuidar do meio ambiente, tal como conversamos neste texto, está mais relacionado a conservar. Isso porque, como falamos, o consumo requer o uso da natureza e, desta forma, não há como deixá-la intocável.

Nesse contexto, surgiu uma expressão: desenvolvimento sustentável, que significa a utilização dos recursos naturais sem comprometer quem vive hoje, nem as próximas gerações de seres vivos que habitarão nosso planeta Terra.





ALUNO NOTA 10 DO COLÉGIO ESTADUAL DONA GUIOMAR BARRETO MEIRA

Motivação e incentivação da aprendizagem Para que haja uma aprendizagem efetiva e duradoura é preciso que existam propósitos de...